Compartilhe:

Hackear o agro é pra ontem

A transformação digital que já existe no campo deve ser ampliada também nos escritórios

Não é de hoje que a tecnologia é bastante integrada às cadeias produtivas do agronegócio brasileiro. Isso, claro, quando falamos da porteira para dentro. 

O uso de tecnologia digital para atividades ligadas à produção já é a realidade de 84% dos agricultores de pequeno e médio porte no país, segundo levantamento recente da Embrapa em conjunto com o Sebrae e o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).

Quando falamos de tecnologias digitais que extrapolam o uso da internet em aplicativos ou computadores para atividades gerais ou obtenção de informações da propriedade ou da produção, o número cai para menos de 25%. Apps voltados para a gestão, dados e imagens remotos, sistemas automatizados e robotizados, informações geolocalizadas entre outras oportunidades não estão sendo aproveitadas. Vale lembrar que o grupo é maioria no agro brasileiro: 77% dos estabelecimentos agropecuários, segundo o último Censo Agropecuário do IBGE, realizado em 2019.

Mesmo entre os de porte médio para grande, preocupa a pequena disseminação de tecnologia da porteira para fora: nos escritórios. Inteligência Artificial, Internet das Coisas, big data e blockchain são oportunidades que já perpassam o portfólio de tecnologias utilizadas em países com maior cultura de ciência, tecnologia e inovação aplicadas a negócios. No Brasil, isso ainda não se popularizou. Hackear o agro brasileiro é, então, urgente.

Transformação digital é aliada

Muito relevante para a economia nacional, o agronegócio é observado de perto por entidades, governos e consumidores dentro e fora do país. Temas como mudanças climáticas, desmatamento e ESG já avançam a passos largos e com o apoio do melhor da tecnologia atual para o mapeamento, levantamento e análise de dados no setor.

Desde 2020, com o novo contexto pandêmico que arriscou a segurança alimentar em todo o mundo, fez avançar também a transformação digital no campo. 

Para Carlos Barbosa, CEO da Aliare, um dos grandes players de tecnologia no agro brasileiro, a tendência é um avanço ainda maior até o fim do período pandêmico. “O agronegócio é um setor que sempre foi receptivo a inovações, principalmente em relação a tecnologias de produção, máquinas, implementos e insumos. Mas acho que o produtor demorou um pouco mais para adotar tecnologias de gestão e controle. O que eu vejo acontecendo agora, e acredito que continuará nesta pandemia, é uma aceleração nesse cenário”, explica.

O que já sabemos é que o uso cada vez mais qualificado de dados pode acelerar não só a força produtiva como a inteligência de negócio no agro, mas, pensando no futuro, as possibilidades de uso tecnológico na área são praticamente infinitas. 

Como hackear o campo?

Se esse assunto te interessa, nosso report O agro que marca: tendências e reflexões para marcas protagonistas do agronegócio brasileiro pode trazer outros bons insights sobre transformação digital, inovação, branding aplicado a negócios. 

Se você se interessa pelo agro do futuro, clique aqui e tenha acesso ao report na íntegra e entenda quais oportunidades de gestão de marca podem entrar no seu radar.

Compartilhe: